O QUE É “MANSIDÃO” PARA DEUS

Vamos buscar compreender como ser uma pessoa “mansa” aos olhos de Deus,  esta importante virtude que é encontrada em verdadeiros tementes a Deus, virtude que traz bem-aventurança aos que a desfrutam.

Salmo 37:
10 Pois ainda um pouco, e o ímpio não existirá; olharás para o seu lugar, e não aparecerá.

11 Mas os mansos herdarão a terra, e se deleitarão na abundância de paz.

Mateus 5:
5 Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra;

Mesmo que a mente do homem natural apenas enxergue o que o mundo compreende por mansidão, o que certamente acontecerá é o cumprimento das promessas para aqueles que Deus separou e qualificou com este atributo. O que eu ou você pensamos ser o significado para “mansidão“, não sendo, em absolutamente nada influencia o que Deus já estabeceu pela Sua própria vontade.

Precisamos urgente compreender caros leitores que nossas mentes não determinam o que “É”, mas sim a mente do Deus Criador de todas as coisas.

Mansidão” e “humildade” descritos por Deus só podem ser compreendidos pelo que a Bíblia define, pois não há outro referencial do que possa ser a vontade do Criador. Qualquer outra forma vem da mente de homens. Mansidão e humildade são virtudes que são definidas pelas Escrituras Sagradas “medidas” não como sendo características de pessoas que falam baixo e devagar, características de homens que expressam suas convicções sem firmeza ou sem reagir com rigor quando contrariados aceitando qualquer coisa que lhe chega como verdade apenas para não contrariar alguém. Esses “mansos” ou “humildes” que os “olhos do mundo” enxergam não tem nada haver com os mansos e humildes de Cristo.

Posso afirmar que todos os “grandes” de Deus tinham uma personalidade “firme” e cônscia da Verdade, donos de um justo discernimento para perfeitamente e com sabedoria exporem nos momentos apropriados considerações sobre o que lhes cercava, sempre de forma objetiva, sincera e respaldada pelos conhecimentos sobre o Evangelho que o Espírito guiava na formação dos pensamentos ao longo de suas vidas (1Coríntios 4:21).

Discutiam como Cristo discutia, falavam verdades diretamente à pessoas independente se estas se sentiam “ofendidas” ou não da mesma forma que Cristo fazia, aplicavam punições, expulsavam iníquos de igrejas e se apresentavam bastante rígidos nos ordenamentos que as Escrituras e Jesus traziam, sempre por temor a Deus, por respeito e amor à Deus a ao próximo. Com certeza absoluta as “grandes pedras” da base/fundação da construção da Jerusalém celestial não eram “mansos conforme o mundo”.

Mas então o que Deus compreenderia como uma pessoa ser “mansa”? Vejamos este importante versículo de João:

João 4:
24 Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.

Adorar alguém implica em admirar este alguém, admirar os conhecimentos, os pensamentos e as atitudes deste alguém. Adorar a Deus é portanto adorar Sua Lei, Sua forma de expressar descrita na Bíblia. Adorar a Deus implica necessariamente em conhecer, concordar e aplicar os conhecimentos ensinados nas Escrituras na formação dos seus pensamentos, que por sua vez resultam em atitudes.

Romanos 7:
14 Porque bem sabemos que a lei é espiritual; mas eu sou carnal, vendido sob o pecado.

Os conhecimentos que aqueles que creem em Deus devem aprender e por em prática nas suas vidas para comprovarem que estão mesmo adorando-O espiritualmente como Ele mesmo diz que para Ele importa, são os conhecimentos relativos ao corpo espiritual da pessoa, ensinos relativos à sua alma.

A alma da pessoa é o seu “corpo espiritual”, é o seu espírito energizando sua mente a gerar pensamentos e atitudes pelos motivos admitidos como válidos ou “permitidos”, sendo esta geração de pensamentos feita de acordo com a personalidade da pessoa.

Com isso o corpo espiritual do homem é formado por conhecimentos (doutrinas/nutrientes), por motivos (coração), com formulação/fluidez dos pensamentos (sangue) circulando na mente, que por uma personalidade (braços e pernas) e percepção (olhos, ouvidos e demais “sentidos”) exteriorizam estas idéias.

Assim, a “mansidão” para Deus está sendo medida pela forma como as Suas Verdades são aceitas pelo homem. Se o homem aceita a Verdade como Verdade, mesmo que sem tê-la compreendido em seu todo num primeiro momento, este homem é “manso” para Deus (Tiago 1:21) e buscará com paciência aprender dEle.

Se a mente de alguma forma criar pensamentos que não aceitam as Verdades de Deus, Ele já não vê com os Seus olhos esta pessoa como sendo “mansa”. Se a pessoa além de não aceitar as Verdades criar pensamentos destrutivos que “ataquem” o apresentador das doutrinas, ou que zombem das Verdades esta pessoa caminha para o oposto da mansidão, que é a crueldade, que é a violência que leva aos “assassinatos espirituais”, esta essoa então é uma pessoa brava, briguenta, teimosa, soberba.

Dessa forma, o princípio apresentado acima (João 4 e Romanos 7) é o mais importante de todos os princípios da Bíblia, mas que é preciso ser manso ou ao menos admitir-se que não o é, para só então iniciar sua compreensão sobre as verdades de Deus e poder vir a utilizá-las de forma a colher o que está prometido ser entregue aos obedientes.

Possa ser você um “manso”, sabendo que a capacidade de compreender e aplicar este princípio ao ler e estudar a Palavra de Deus, implica no maior de todos os paradoxos da existência humana, pois apenas as mentes dos homens que Deus ressuscitou espiritualmente podem compreender as mensagens que Ele escreveu espiritualmente.

O homem em si mesmo não possui a capacidade de compreender a Deus, mesmo que sua soberba e arrogância disfarçada com a “mansidão do mundo” o levem a acreditar que O compreendem, que O conhecem, porque esta mesma soberba e arrogância é a rebeldia que o impede de ser visto como “manso” aos olhos de Deus, fator determinante para conhecê-Lo. Este é o paradoxo.

É necessário ter vida espiritual, ou seja, ter a capacidade mental de compreender que a mente e seus pensamentos tem uma vida própria, um “coprpo” próprio. Sem vida espiritual não se consegue estabelecer os paralelos das coisas que se vê com os olhos do corpo, para com as “formas” de pensamentos que vão pela mente de Deus, e aí não se chega onde está o Reino dEle pelo que aponta Seu Mapa chamado Bíblia, local onde está o verdadeiro “tesouro” que Ele guarda: Seus conhecimentos escondidos nas coisas que não se vê (1Coríntios 2:9), pois Deus é Espírito e não “carne” ou imagem de algo que se possa ver com os olhos do corpo.

E uma das virtudes espirituais necessárias para a compreensão da Verdade é ser “manso“, é saber “não lutar” com os conhecimentos sobre estas coisas espirituais, não tornar as coisas do mundo as que “são” unicamente, não substituir a Verdade espiritual que está escondida na compreensão do Evangelho por “imagens de escultura”, por apenas representações superficiais (“letras” que matam) das mensagens de Deus.

O “enxergar” o que é Verdade/Evangelho sem “brigas” internas nos pensamentos, sem “resistências” da mente , enxergar o que é “Evangelho” pelo que espiritualmente significa o Evangelho, é exercer a “mansidão” que caracteriza um Filho de Deus, um membro do Reino de Deus, um Manso a que se dedicam as postagens deste espaço virtual.

Anúncios